Sábado - Manaus - 6 de junho de 2020 - 20:01

MANAUS-AM

Suspeito usava dinheiro da avó para comprar silêncio de adolescentes estuprados, diz PC

Segundo a delegada Juliana Tuma, os abusos cometidos contra os adolescentes iniciaram quando eles eram vulneráveis

CAMILA PEREIRA

Publicado em 25 de setembro

Delegada Juliana Tuma é a responsável pelas investigações

Foto: Erlon Rodrigues

Manaus - A delegada Juliana Tuma, titular da Delegacia Especializada em Proteção à Criança e ao Adolescente (Depca), concedeu entrevista coletiva sobre o cumprimento de mandado de prisão temporária por estupro de vulnerável e favorecimento à prostituição de vulnerável, em nome de Clenildo Ferreira Mota, 31, conhecido como “Tei”. A prisão foi efetuada pela equipe da Depca na manhã da última sexta-feira, dia 22, por volta das 10h30, na casa onde o infrator morava, situada no bairro Zumbi dos Palmares, zona Leste de Manaus.

De acordo com a autoridade policial, a equipe da especializada iniciou as investigações em torno do caso em julho deste ano, após receber denúncia anônima informando que Clenildo utilizava o dinheiro da aposentadoria da avó dele para convencer adolescentes a manterem relação sexual com ele. Além disso, o indivíduo gastava dinheiro comprando presentes para meninos, que costumavam ser vistos no quarto do infrator.

Conforme a titular da Depca, ao longo das diligências, iniciadas após a delação, foi constatado que um adolescente de 13 anos vinha mantendo relações sexuais com Clenildo há dois anos, desde quando tinha 11 anos de idade. A vítima foi submetida à exame de coito anal no Instituto Médico Legal (IML), que confirmou o estupro. Durante as investigações os policiais civis descobriram mais três vítimas do infrator, adolescentes de 14, 15 e 16 anos. Todos do sexo masculino.

Segundo Juliana Tuma, os abusos cometidos contra os adolescentes iniciaram quando eles eram vulneráveis. Clenildo sempre utilizava dinheiro para comprar o silêncio das vítimas e manter o sistema de dependência delas. Após a constatação dos crimes, a delegada representou à Justiça o mandado de prisão temporária em nome do infrator. O documento foi expedido no dia 21 de setembro pela juíza Mirza Telma de Oliveira Cunha, no Plantão Criminal.

A delegada ressaltou, ainda, que durante depoimento realizado na especializada o infrator admitiu ter mantido relações sexuais com três vítimas, sob o argumento de que os atos ocorreram com o consentimento dos adolescentes. Clenildo foi indiciado por estupro de vulnerável e favorecimento à prostituição de vulnerável. Ao término dos procedimentos na Depca, o infrator será encaminhado ao Centro de Detenção Provisória Masculino (CDPM), onde irá permanecer à disposição da Justiça.

FONTE: Polícia Civil do Amazonas