Quarta-feira - Manaus - 18 de setembro de 2019 - 22:35

MANAUS-AM

Secretário-geral e diretor tesoureiro da OAB pedem suspensão de novos cursos de Direito ao MEC

O advogado amazonense José Alberto Simonetti e José Augusto Araújo de Noronha estiveram com o ministro da Educação, Abraham Weintraub 

REDAÇÃO TODA HORA

Publicado em 17 de agosto - 09:16

A OAB quer verificar a qualidade dos cursos já existentes.

Foto: Divulgação

A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) solicitou que o Ministério da Educação suspenda a abertura de novas graduações em Direito pelo prazo de cinco anos. O pedido foi feito pelo advogado amazonense e secretário-geral da OAB, José Alberto Simonetti, e pelo diretor tesoureiro da OAB, José Augusto Araújo de Noronha. Eles estiveram reunidos com o ministro da Educação, Abraham Weintraub nesta semana. A OAB quer esse prazo para verificar a qualidade dos cursos já existentes.

“A função da OAB é colaborar para o aperfeiçoamento e a promoção da qualidade do ensino jurídico no país. Externamos nossa preocupação com o elevado número de cursos autorizados nos últimos anos e com a precariedade de determinadas instituições que oferecem ensino jurídico. Nossa solicitação é para que tenhamos um prazo para avaliar os cursos já criados”, afirmou Simonetti.

De acordo com o documento entregue pela OAB ao Ministério da Educação, no ano de 2019, foram autorizados 121 cursos de Direito com 14.891 vagas anuais, totalizando atualmente 1.684 cursos jurídicos em funcionamento no Brasil.

“Ressaltamos que no período de 2005 a 2011 foram criados 324 cursos de Direito ao passo que no período de 2011 a 2019 (atual) foram criados 472 cursos , o que ratifica a ausência de critérios adequados à criação dos cursos”, disse Simonetti.