Quarta-feira - Manaus - 12 de dezembro de 2018 - 03:48

BRASIL

Professor que nega aquecimento global é cotado para Meio Ambiente

Ricardo Felício afirma que o fenômeno é uma farsa criada por cientistas e organismos multilaterais

REDAÇÃO TODA HORA

Publicado em 6 de dezembro - 09:00

Bolsonaro tem definido nomes aos poucos

Foto: EBC

O presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL-RJ) deve decidir nos próximos dias quem será o novo ministro do Meio Ambiente. A pasta é uma das únicas com indicação ainda em aberto. O professor de geografia Ricardo Felício figura na lista de opções, ao lado do ex-procurador Paulo de Bessa Antunes, especialista em direito ambiental.

De acordo com a coluna 'Painel', da 'Folha de S. Paulo', Felício, que leciona na Universidade de São Paulo (USP), afirma que o aquecimento global é uma farsa criada por cientistas e organismos multilaterais. O vereador Carlos Bolsonaro, filho do futuro presidente, tem simpatia pela indicação de Felício.

A outra pasta para a qual ainda não foi definido um ministro é Direitos Humanos. Damares Alves, assessora do senador Magno Malta (PR-ES), estava sendo cotada para o cargo, mas o futuro chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni (DEM-RS), negou essa possibilidade a integrantes da bancada feminina, segundo a coluna.

Felício, que leciona na Universidade de São Paulo (USP), afirma que o aquecimento global é uma farsa criada por cientistas e organismos multilaterais.

Foto: Reprodução