Quarta-feira - Manaus - 18 de setembro de 2019 - 23:01

MUNDO

Primeira-dama da França agradece brasileiros

Brigitte Macron fez questão de agradecer em português o apoio recebido através da hashtag #DesculpaBrigitte

REDAÇÃO TODA HORA

Publicado em 30 de agosto - 10:03

Bolsonaro e Macron trocaram farpas desde que a crise de queimadas na floresta amazônica ganhou as manchetes no mundo inteiro

Foto: AFP

A primeira-dama da França, Brigitte Macron, agradeceu internautas brasileiros por uma campanha em seu apoio na internet. Em português, ela disse "muito obrigada" pelas mensagens com a hashtag #DesculpaBrigitte.

As mensagens passaram a ser enviadas após o presidente Jair Bolsonaro usar seu perfil na rede social Facebook para publicar uma mensagem com risadas após um comentário ofensivo sobre a esposa do presidente francês, feito por um de seus seguidores.

"Duas palavras para os brasileiros e brasileiras, em português, espero que me entendam: 'muito obrigada'", disse Brigitte. "Muito, muito obrigada a todos que me apoiaram."

A campanha #DesculpaBrigitte teve início após um dos seguidores da página do presidente postar uma montagem com duas fotos, uma com Macron e Brigitte, e outra de Bolsonaro com sua esposa, Michelle. O comentário foi feito em um post do presidente sobre a Amazônia. "Entende agora pq Macron persegue Bolsonaro?", escreveu o seguidor.

A página do presidente da República respondeu com a mensagem: "não humilha cara. kkkk". Posteriormente, a resposta foi apagada.

O comentário fez com que brasileiros simpáticos a Brigitte postassem mensagem com desculpas à primeira-dama nas redes sociais. "Espero que me ouçam, fiquei muito emocionada", disse Brigitte, segundo a imprensa francesa.

Após o episódio, no fim de semana, Bolsonaro negou que tenha ofendido a primeira-dama. O presidente justificou que seu comentário foi um pedido para o responsável não "falar besteira". Questionado se pediria desculpas, ele se irritou e não respondeu: "Se continuar pergunta desse padrão vai acabar a entrevista".

O caso também gerou uma resposta do presidente da França, Emmanuel Macron, que classificou o comentário como "extremamente desrespeitoso" e disse que espera que os brasileiros tenham um presidente que "se comporte à altura" do cargo.

Bolsonaro e Macron trocaram farpas desde que a crise de queimadas na floresta amazônica ganhou as manchetes no mundo inteiro. Durante a reunião do G-7 (grupo de países ricos, formado por Alemanha, Canadá, Estados Unidos, França, Itália, Japão e Reino Unido), Macron disse que a Amazônia é um "bem comum" e fez um apelo para que a preservação da floresta esteja no topo da agenda do grupo.

O grupo chegou a fechar um acordo para oferecer R$ 83 milhões destinados ao combate contra os incêndios, mas o governo brasileiro negou a ajuda. Posteriormente, Bolsonaro disse que aceitaria o dinheiro se houvesse um pedido de desculpas de Macron.