Terça-feira - Manaus - 28 de janeiro de 2020 - 20:18

MANAUS-AM

Paulo Guedes se posicionará sobre incentivo a concentrados em três dias, diz Omar

Um decreto ainda no governo Temer cortou de 20% para 4% do IPI os créditos aos fabricantes e, em meio às negociações da reforma da Previdência, o presidente Bolsonaro elevou esses créditos a 10% até 31 de dezembro de 2019

REDAÇÃO TODA HORA

Publicado em 13 de janeiro - 20:34

Contrário ao subsídio, o ministro Paulo Guedes convenceu o presidente a reduzir

Foto: Divulgação

O senador Omar Aziz (PSD) afirmou que o ministro Paulo Guedes se posicionará em 72 horas sobre a não prorrogação  dos incentivo dos créditos tributários concedidos à indústria de refrigerantes na Zona Franca de Manaus, que será reduzido para 4%. A informação foi divulgada através de um vídeo na noite desta segunda-feira, 13/1. 

Um decreto ainda no governo Temer cortou de 20% para 4% do IPI os créditos aos fabricantes e, em meio às negociações da reforma da Previdência, o presidente Bolsonaro elevou esses créditos a 10% até 31 de dezembro de 2019. Contrário ao subsídio, o ministro Paulo Guedes convenceu o presidente a reduzir

"Expliquei a angústia de um setor importante da nossa economia que é o setor dos concentrados, que gera empregos na cidade de Manaus e no Amazonas, a importância de ter empresas como a Coca Cola em Manaus e Brasil", afirmou. 

Durante a conversa, Omar reforçou outros encontros em que trataram sobre o IPI e reconhecimento do crédito. 

"Eu espero que em 72 horas possamos ter uma decisão definitiva e acabar com a insegurança jurídica que as empresas instaladas no Distrito Industrial passam pelo não reconhecimento do crédito e também a redução ou aumento do IPI sem uma conversa técnica com as pessoaa que convivem e trabalham pelo estado do Amazonas. Espero que possamos sair vencedores dessa luta que não é minha. É a luta da bancada, dos senadores e deputados", destacou.

O prejuízo estimado para as empresas que produzem na região em 2020 é de cerca de R$ 2,1 bilhões, com a redução dos créditos tributários.

VEJA O QUE DISSE OMAR:

TH VIDEO