Sexta-feira - Manaus - 13 de dezembro de 2019 - 07:28

MANAUS-AM

Operação apreende droga avaliada R$ 1,5 mi, lanchas, armas e veículos de piratas

O material foi apreendido na zona rural de Coari. Três suspeitos foram detidos e conduzidos à delegacia do município. 

REDAÇÃO TODA HORA

Publicado em 13 de agosto - 14:06

Todos os suspeitos detidos e todo material apreendido, drogas, veículo e munições foram apresentados na Delegacia Interativa de Coari para os procedimentos legais.

Foto: Divulgação

Uma operação policial apreendeu 152 tabletes de supostamente maconha tipo skunk, avaliada em mais de R$ 1,5 milhão, lanchas, armas e veículos pertencente aos “piratas de rio”, durante uma operação que durou três dias em comunidades da zona rural de Coari. Durante a ação, foram apreendidos dois rifles calibre 44, duas espingardas calibre 16, uma espingarda calibre 20 e uma arma de fogo de fabricação caseira calibre 16. Três suspeitos foram detidos e conduzidos à delegacia do município. 

“A polícia militar já vinha recebendo diversas denúncias de moradores e ribeirinhos da zona rural de Coari, informando sobre esses “piratas dos rios” que ficam à espera de traficantes da Colômbia. A partir de denúncias que um líder desses “piratas” estaria em um sítio na localidade, neste final de semana, montamos a operação e conseguimos deter alguns suspeitos e apreender todo esse material”, explicou o Comandante Geral da Polícia Militar do Amazonas, Coronel PM Ayrton Norte.

Segundo o comandante do 5º BPM, tenente coronel Pedro Moreira, as informações apontavam que o líder do grupo de piratas teria conseguido mais de uma tonelada de drogas de colombianos no Rio Solimões e teria transportado essa droga com ajuda de comparsas pelo ramal que dá acesso à Comunidade do São Francisco do Jacaré no Lago do Mamiá.  

“Tínhamos essa informação da chegada da droga e que ele também estaria escondendo em igarapés no meio da mata, uma grande quantidade de armas e algumas lanchas roubadas de traficantes colombianos. Essa droga e as armas eram negociadas por meio de um telefone rural que tinha instalado em um sítio”, declarou Moreira.

No domingo pela tarde, neste sítio, havia algumas pessoas que tinham participado de uma festa. Todos foram revistados, mas nenhum material ilícito foi encontrado. De acordo com a polícia, enquanto a abordagem era feita, dois suspeitos foram vistos. Eles conseguiram escapar fugindo na mata. 

Uma mulher, que estava no local, denunciou que um dos suspeitos, nos dias anteriores havia carregado diversos sacos com drogas do lago do Mamiá e enterrado em tambores de combustível em um sítio nas proximidades. No local, os policiais conseguiram desenterrar seis sacos de fibras com drogas, cobertos por uma lona azul e sacos plásticos pretos.

Neste sítio, um homem foi detido e ficou muito nervoso quando os policiais militares retornaram a casa. Por volta das 19h30, o suspeito passou mal e pediu uma pílula de aspirina (AS) que foi dada pela esposa do caseiro, mas logo em seguida, ele foi visto desacordado. A polícia informou que foi providenciado o socorro. Logo em seguida foi confirmado o óbito do suspeito.

Ainda no domingo, a mesma mulher, que denunciou onde a droga estava enterrada, levou os policiais até outro sítio abandonado onde a droga havia sido anteriormente armazenada e enterrada em tambores. No local, os policiais militares encontraram cinco buracos, suficientemente profundos para comportar um tambor de 200 litros de combustível como descrito e também muitas fitas isolantes usadas na embalagem da droga. A polícia acredita que os “piratas” retiram as embalagens da droga para dificultar o reconhecimento por parte das facções donas da droga e assim poder comercializar sem maiores riscos.

Já na tarde desta segunda-feira, 12/8, depois de diversas buscas pela área do sítio onde os piratas mantinham sua base, os policiais militares encontraram uma caixa térmica de cor azul que estava enterrada e foram encontrados sete volumes de drogas de aproximadamente um quilo cada um.

Em um quarto sítio, os policiais militares detiveram o irmão do proprietário do sítio que confessou ter sido pago para mudar de local duas lanchas que os piratas haviam roubado de colombianos que transportavam drogas. Segundo este, uma delas seria uma lancha de cor preta equipada com motor 100HP e outra estaria equipada com motor 40HP e estaria escondida em um igarapé cerca de 10km da estrada Coari-Mamiá, próximo ao Lago do Mamiá. 

Um denunciante que não quis ser identificado, disse aos policiais militares que nas proximidades de uma residência localizada próximo a um igarapé que dá acesso ao Lago do Mamiá, um indivíduo teria guardado parte das armas pertencentes aos piratas, possivelmente também roubada de traficantes colombianos mortos pelo bando. Depois de uma longa caminhada de mais de 6h (seis horas) mata adentro, os policiais militares encontraram um saco contendo 08 (oito) armas longas.

De acordo com o tenente coronel PM Pedro Moreira, operações semelhantes deverão continuar até que todos os envolvidos sejam capturados e presos, seja na estrada ou nos rios. No momento, sabemos que mais um local que servia de ponto base para seus crimes foi desmantelado e este deverá migrar procurando locais mais distantes, uma vez que com acesso facilitado na estrada a Polícia Militar estará mais presente.

Todos os suspeitos detidos e todo material apreendido, drogas, veículo e munições foram apresentados na Delegacia Interativa de Coari para os procedimentos legais.