Quarta-feira - Manaus - 18 de setembro de 2019 - 22:45

BRASIL

‘Maior retrocesso em 20 anos’, diz entidade de procuradores sobre novo PGR

Em nota, a ANPR, responsável pela lista tríplice, afirma que Augusto Aras não possui "liderança para comandar uma instituição com a importância do MPF"

REDAÇÃO TODA HORA

Publicado em 6 de setembro - 09:12

Bolsonaro não seguiu a lista tríplice eleita pelos procuradores, quebrando tradição seguida pelos últimos presidentes da República, desde 2003

Foto: Divulgação

Em nota divulgada na noite desta quinta-feira 5, a Associação Nacional dos Procuradores da República (ANPR), responsável pela eleição da lista tríplice para a Procuradoria-Geral da República, condenou a escolha de Augusto Aras para assumir o posto de PGR. A entidade afirma que a nomeação, feita pelo presidente Jair Bolsonaro mais cedo, é “o maior retrocesso democrático e institucional do MPF em 20 anos”.

Bolsonaro não seguiu a lista tríplice eleita pelos procuradores, quebrando tradição seguida pelos últimos presidentes da República, desde 2003. Além de lamentar o procedimento – afirmando que a decisão “quebra o princípio da transparência” -, a organização questionou os méritos de Aras para chefiar o Ministério Público Federal.

“O indicado não foi submetido a debates públicos, não apresentou propostas à vista da sociedade e da própria carreira. Não se sabe o que conversou em diálogos absolutamente reservados, desenvolvidos à margem da opinião pública. Não possui, ademais, qualquer liderança para comandar uma instituição com o peso e a importância do MPF. Sua indicação é, conforme expresso pelo presidente da República, Jair Bolsonaro, uma escolha pessoal, decorrente de posição de afinidade de pensamento”, diz a nota.