Quinta-feira - Manaus - 23 de mai de 2019 - 08:02

MUNDO

Estudo alerta para aumento do consumo de álcool no mundo

Há um fenômeno de ascensão em países de renda média, como China, Índia e Vietnã, apoiado por "transições econômicas e crescimento da riqueza"

REDAÇÃO TODA HORA

Publicado em 8 de mai - 11:43

O álcool representa "um importante fator de risco" no surgimento de muitas doenças, bem como em lesões e acidentes

O consumo de álcool está diminuindo, ou estagnando nos países ricos, mas tende a aumentar nos países, cujo padrão de vida cresce, como Índia e China, o que compromete a luta contra os estragos à saúde - aponta um estudo publicado nesta quarta-feira (8).

Essa "mudança de cenário" deve encorajar os países afetados a adotarem medidas que se mostraram eficazes em outros lugares, como "o aumento dos impostos, uma restrição da disponibilidade e a proibição de marketing e propaganda para o álcool", argumentam os autores do estudo publicado na revista médica britânica The Lancet.

O álcool representa "um importante fator de risco" no surgimento de muitas doenças, bem como em lesões e acidentes, ressaltam.

Cada adulto no mundo consumiu uma média de 6,5 litros de álcool puro em 2017, em comparação com 5,9 litros em 1990. Essa quantidade deve chegar a 7,6 litros em 2030, de acordo com as estimativas estabelecidas com base nos dados de 189 países.

Atualmente, o consumo per capita mais elevado no mundo está concentrado na Europa, mas se encontra em declínio (-20% em 27 anos, para 9,8 litros per capita), especialmente devido à redução acentuada em algumas antigas repúblicas soviéticas e países do Leste Europeu.

No sentido contrário, há um fenômeno de ascensão em países de renda média, como China, Índia e Vietnã, apoiado por "transições econômicas e crescimento da riqueza". Esses três países agora têm "níveis mais altos de consumo do que alguns países europeus" (7,4 litros, 5,9 litros e 8,9 litros, respectivamente), descreve o artigo.

Em todo o Sudeste Asiático, o consumo médio dobrou entre 1990 e 2017, para 4,7 litros per capita. Na região do "Pacífico Ocidental", que inclui China, Japão e Austrália, o consumo cresceu 54%.

O nível de consumo de álcool permanece estável e muito limitado no Norte da África e no Oriente Médio (menos de um litro por adulto e por ano).

Também tem sido tradicionalmente mais baixo na América do Sul do que nos países da América do Norte, de acordo com o estudo, que indica tendências relativamente estáveis nas Américas nos últimos 13 anos.

Em 2017, o consumo de álcool puro para ambos os sexos foi de 9,7 litros, na América do Norte (com alta renda); de 6,2 l, no Caribe; de 5,8 l, na América Central; de 5,6 l, na região andina; de 9,6 l, na América do Sul; e de 7,4 l, nos países tropicais.