Segunda-feira - Manaus - 13 de julho de 2020 - 16:15

MANAUS-AM

CPI: ex-Susam diz que foi contrário à compra de respiradores no valor de R$2,9 mi

O ex-secretário Rodrigo Tobias explicou, ainda, que os equipamentos que seriam adquiridos serviam para o tratamento de Covid-19, mas apenas para pacientes internados em leitos clínicos e não na Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

REDAÇÃO TODA HORA

Publicado em 29 de junho - 15:43

Ex-secretário Rodrigo Tobias prestou depoimento à CPI nesta segunda-feira, 29/6

Foto: Reprodução

O ex-secretário de Estado de Saúde (Susam), Rodrigo Tobias, afirmou durante depoimento à CPI da Saúde, nesta segunda-feira, 29/6, que era contra a compra dos 28 respiradores comprados pelo governo do Amazonas no valor de R$ 2,97 milhões para o tratamento de pacientes com Covid-19. O depoimento de Rodrigo Tobias durou aproximadamente 5 horas.

De acordo com Rodrigo Tobias, a iniciativa para a compra dos respiradores partiu da SEA Capital (Secretaria Executiva de Assistência Especializada da Capital), a área técnica da Susam.

O ex-secretário explicou, ainda, que os equipamentos que seriam adquiridos serviam para o tratamento de Covid-19, mas apenas para pacientes internados em leitos clínicos e não na Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

“Eu estava tão imbuído na compra de respiradores de UTI que eu olhei o processo e falei: ‘esse não me interessa’. Eu não era favorável na compra desses respiradores. Isso no final de março. Eu estou falando do meu sentimento e da minha decisão de que naquele momento a gente estava canalizando energia na compra de respiradores para uso em leitos de UTI e que aqueles respiradores, naquele momento, iam desconcentrar. E aí eu sabia dessa questão, bati o pé dizendo que não”, disse.

Falta de anuência

Durante depoimento, o ex-gestor afirmou ter enfrentado interferência em sua gestão, que questões não tinham anuência e o constrangiam como gestor.  “Comprovamos hoje outras inúmeras contradições na gestão do atual governo durante a pandemia do nosso Estado. Ficou claro que ele discordou de muitas ordens neste período, mas também estamos cientes de que como gestor, terá de responder por cada ato de sua gestão”, disse o presidente da CPI, Delegado Péricles. 

Dentre as interferências, de acordo com depoimento do ex-secretário, estiveram projetos voltados para a saúde em tempo de pandemia. “O projeto do Anjos da Saúde foi um, segundo o ex-secretário, proveniente de iniciativa fora da esfera e planejamento da equipe da Susam. Um projeto de milhões, colocado em prática, sem anuência de técnicos da principal pasta da saúde do Estado. É claro que algo está errado neste processo”, continuou o deputado. 

A presença de senhora chamada Carla Pollake na gestão e na tomada de decisões foi novamente citada em depoimento coletado na manhã desta sexta-feira. Ela já havia sido afirmada durante depoimento do ex-secretário executivo João Paulo Marques, no último dia 26 de junho. 

“Mais uma vez a senhora Carla Pollake aparece, desta vez como peça fundamental para a implantação de um projeto de milhões, mesmo sem ter ele recebido a anuência da própria equipe técnica da Susam. É indiscutível o poder atribuído a ela”, continuou. 

Requerimentos

Dois requerimentos ainda foram aprovados na tarde desta segunda-feira: a solicitação do projeto básico do aluguel do Hospital de Campanha da Nilton Lins; e projeto básico do projeto Anjos da Saúde e processos de pagamentos já realizados para a Susam e AADES.