Sexta-feira - Manaus - 18 de outubro de 2019 - 15:28

MANAUS-AM

Com calor excessivo, vendas de ar condicionado disparam em Manaus

Vendas cresceram 18% em Manaus. Mas o que muita gente não sabe, é que, em uma residência média que faz uso intenso do ar­-condicionado, sem qualquer preocupação com medidas de redução de consumo, o impacto pode chegar a até 50% de aumento na conta de energia elétrica

SIGRID AVELINO

Publicado em 13 de setembro - 06:30

Com as vendas de ar condicionado em alta, agora, faltam instaladores do aparelho na capital do Amazonas

Foto: Divulgação

O mês de setembro promete ser de muito calor, em Manaus. Com céu claro, poucas nuvens e menor incidência de chuva, as temperaturas devem ficar em torno de 32,6°C, segundo dados do Sistema de Proteção da Amazônia (Sipam). Para fugir do calor muita gente recorre ao ar condicionado e ventilador, o que aumenta o consumo de energia. Mas o que muita gente não sabe, é que, em uma residência média que faz uso intenso do ar­-condicionado, sem qualquer preocupação com medidas de redução de consumo, o impacto pode chegar a até 50% de aumento na conta de energia elétrica.

Nas lojas, a procura pelos aparelhos aumentou desde o mês de julho. É possível ver nas vitrines e nos sites as ofertas tanto de ar condicionado quanto de ventilador. Crescimento que se reflete nos números registrados no comércio da capital. De acordo com a Câmara de Dirigentes Lojistas de Manaus (CDLM), as vendas de ar condicionado em 2019  tiveram um crescimento de 18% desde julho – esta estimativa deve permanecer até o mês de outubro.  

“Há o aumento significativo em relação a venda de ar condicionados de até 24.000 BTUs que é muito mais residencial e para pequenos escritórios. Já os ventiladores são, principalmente, para o interior (municípios)”, declarou o presidente da CDLM. 

O aumento de quase 20% das vendas desses produtos é considerado expressivo já que em 2018, o índice ficou em 4%, o que segundo a CDLM foi um reflexo da crise financeira e do número alto de inadimplência, nos anos anteriores. “Esse ano tem muita gente comprando no crediário. As lojas tiveram até que ampliar o crediário para facilitar a venda nesse período”, comemorou Ralph.

Segundo a gerência da loja Bemol, da Eduardo Ribeiro, no centro de Manaus, a demanda maior é por ventilador. Segundo os lojistas este aparelho é um dos mais utilizados no dia a dia. Na loja, o produto pode ser encontrado de R$ 73,00 a R$ 440,00, dependendo da marca e da velocidade. Já o valor do ar condicionado, varia de acordo com os BTUs e pode ser de janela ou Split. Os preços vão de R$ 928,00 o de janela de 7.500 BTUs a R$ 3.932,00 o Split, de 22.000 BTUs.

Com as vendas de ar condicionado em alta, agora, faltam instaladores do aparelho. “Pelo volume, um crescimento percentual de quase 2 mil condicionadores de ar a mais, as pessoas têm esperado os montadores para instalar. Principalmente porque o ar condicionado não é mais somente aquele chamado de gaveta (janela) que você só tinha o buraco encaixava e qualquer um fazia. Agora não, tem um certo cuidado de instalação e isso tem faltado no mercado”, informou Ralph. 

Consumo de energia

Tradicionalmente, o segundo semestre do ano é de maior consumo de energia, na capital. De acordo com a concessionária responsável, até agora o consumo cresceu em 5% se comparado com o mesmo período do ano passado. A assessoria de comunicação da Amazonas Energia informou ainda que no mês de outubro a previsão é aumentar para 9%. 

“A Distribuidora está trabalhando com a previsão de Ponta de Carga para este ano de 1.655 MW para o mês de outubro/2019, essa demanda seria cerca de 65 MW maior que a demanda de ponta registrada no ano de 2018, impulsionada, principalmente pela previsão de um verão em 2019 mais intenso que o verão de 2018”, informou. 

O dia com maior consumo de energia registrado em 2019 foi 14 de agosto. Esse mesmo dia foi apontado pelo Sistema de Proteção da Amazônia (Sipam) como o dia mais quente do ano, os termômetros chegaram a marcar 36,2°C na estação automática do Instituto Nacional de Meteorologia (INMET), no bairro Adrianópolis. 

O ar-­condicionado tem um consumo de energia similar ao de um chuveiro elétrico, porém ele tende a ficar ligado por muito mais tempo. Um aparelho de ar condicionado de 12.000 BTU consome tipicamente 25 KWh/mês para ficar ligado apenas uma hora por dia. Se ficar ligado quatro horas por dia, dependendo do ambiente, pode consumir 100 KWh/mês.

Para termos uma ideia do que esse número significa, uma residência brasileira consome em média 157,9 KWh/mês, de acordo com o Anuário Estatístico de Energia Elétrica 2018 produzido pela EPE (Empresa de Pesquisa Energética, do Governo Federal). Ou seja: um ar­-condicionado ligado diariamente por quatro horas consumirá cerca de 63% do consumo total da residência considerada padrão pelo governo.