Sexta-feira - Manaus - 18 de outubro de 2019 - 14:56

MANAUS-AM

Comércio de Manaus está pessimista para vendas de fim de ano

"Tudo dentro do Brasil e do mundo está muito sensível. Exemplo disso é a situação do dólar que ninguém esperava essa subida. Temos que trabalhar parte a parte", diz presidente da CDL

THIAGO FERNANDO

Publicado em 18 de setembro - 07:12

"No passado, conseguíamos fazer essa previsão com seis meses, mas no atual cenário, é impossível", aponta Ralph Assayag

Foto: Semcom

Reforma da Previdência, Reforma Tributária, alta inesperada do dólar e impasse político-econômico no mundo. De acordo com o Presidente da Câmara Dirigente dos Lojistas (CDL) Ralph Assayag, diferente do que era imaginado, o atual cenário brasileiro, não muito bom e diferente do que muitos esperam com quase dez meses de novo governo, dificulta qualquer previsão sobre a previsão do comércio para o final de ano.

Faltando pouco mais de 100 dias para o fim de 2019, o setor comercial ainda não consegue estimar se haverá aumento ou diminuição nas vendas do segundo semestre de 2019, ou se o número de contratações temporárias será acima da média. Segundo Ralph Assayag, em anos anteriores, essa estimativa era possível de ser feita com até seis meses de antecedência, por conta do padrão do mercado nacional e internacional.

“Infelizmente, se fizer alguma previsão, estarei mentindo ou chutando. Tudo dentro do Brasil e do mundo está muito sensível. Exemplo disso é a situação do dólar que ninguém esperava essa subida. Temos que trabalhar parte a parte. Nosso foco é ver os números do Dia da Criança (12 de outubro). No passado, conseguíamos fazer essa previsão com seis meses, mas no atual cenário, é impossível. A situação é dia a dia”, informou o economista, que ainda frisou que a aprovação ou não das Reformas da Previdência e Tributaria terão papel fundamental na recuperação econômica do País.

Normalmente, em setembro o mercado interno é impulsionado graças o adiantamento do 13o salário de alguns setores. Fora isso, na sexta-feira, 13/9, o Governo Federal iniciou o saque de até R$ 500 de contas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) para correntistas do banco nascidos de janeiro a abril, o que pode dar um certo impulso ao comércio.

“Também estamos esperando a Reforma da Previdência e a Tributaria. Mais perto do Natal (25 de Dezembro), faremos pesquisas para dar um número mais sensato e correto. Quem estiver colocando alguma coisa para o final do ano, está chutando, porque a situação que todo mundo esperava da bolsa subir e do dólar cair, acabou se invertendo. Então, está um pouco cedo”, frisou.

No dia 10 de setembro, o Ministério da Economia, divulgou que a previsão de crescimento da atividade econômica brasileira neste ano seja de apenas 0,85%, bem inferior que a prevista no final do ano passado, ainda na gestão Michel Temer: 2,5%.

Em março deste ano, a gestão Bolsonaro cortou a projeção para 2,2%. Depois, fez novo corte em maio, para 1,6%, e mais uma revisão em julho, para 0,81%.

De acordo com os cálculos do governo, a previsão para o crescimento do PIB (Produto Interno Bruto) do terceiro trimestre teve leve piora, enquanto a expectativa para a alta no último trimestre foi ampliada, fazendo com que um período compense o outro.