Quinta-feira - Manaus - 9 de julho de 2020 - 19:32

MUNDO

China isola área com 40 milhões para conter coronavírus

As restrições de transporte afetam os moradores de 13 cidades da província de Hubei, considerada o epicentro da doença. No total, o vírus já causou 26 mortes

REDAÇÃO TODA HORA

Publicado em 24 de janeiro - 08:52

Além da China, oito países já registraram casos do vírus

Divulgação

A China impôs restrições de transporte sobre mais de 40 milhões de habitantes nesta sexta-feira, 24/1, para tentar conter a disseminação do coronavírus que já matou 26 pessoas.

As medidas de emergência afetam os moradores de 13 cidades da província de Hubei, incluindo sua capital, Wuhan, uma metrópole com mais de 11 milhões de habitantes.

As autoridades chinesas também anunciaram a construção de um hospital em Wuhan com capacidade de mil leitos para acelerar o tratamento de pessoas contaminadas. O estabelecimento deverá abrir suas portas em 3 de fevereiro.

A região é considerada epicentro da doença. Acredita-se que coronavírus tenha surgido em dezembro em um mercado em Wuhan onde era registrado o comércio irregular de animais. 

Já em Xangai, a maior cidade do país, com 24 milhões de habitantes, localizada fora de Hubei, o parque da Disney anunciou seu fechamento por tempo indeterminado para diminuir o risco de contágio.

Mais de 830 pessoas foram contaminadas até agora, e há o temor de que o vírus se espalhe rapidamente para outros países da Ásia.

Além da China, oito países já registraram casos do vírus: Taiwan, Tailândia, Japão, Coreia do Sul, Vietnã, Singapura, EUA e Arábia Saudita. 

Ontem, 23/1,  a Organização Mundial da Saúde (OMS) anunciou que, por enquanto, não declarará emergência internacional de saúde pública. Especialistas da unidade disseram que não está claro qual a dimensão do perigo de transmissão do vírus entre pessoas.

O vírus pertence a uma cepa desconhecida até agora de coronavírus, uma família de patógenos que abrange de resfriados comuns até a Síndrome respiratória aguda grave (Sars), que matou 349 pessoas na China continental e 299 em Hong Kong em 2002 e 2003.

A doença possui sintomas como coriza, febre e dificuldade para respirar. Radiografias do peito de pacientes infectados apontaram infiltrações nos pulmões.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) informou que não há casos no Brasil.